terça-feira, 31 de janeiro de 2012

“Costa Concórdia”, “Titanic” do século XXI: presságio de um fim de época?

Com passageiros na proa, pouco antes do final: um símbolo de nossa época?


O afundamento do “Costa Concordia” rememorou na Europa os tristes presságios levantados pela perda do “Titanic”, escreveu Ben Macintyre, do diário “The Times” de Londres, reproduzido pelo "The Australian".

Sir Osbert Sitwell viu na tragédia do transatlântico inglês, ocorrida em 14 de abril de 1912, um “símbolo de uma sina que se avolumava sobre a civilização ocidental”. E, de fato, não muito depois, a I Guerra Mundial arrasaria o continente europeu, pondo fim à sua rica, requintada e irrefletida Belle Époque.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Proibição da mensagem de La Salette e maravilhosa redescoberta no século XX

Papa Bento XV, Library of Congress
S.S. Bento XV
Após a publicação do segredo de La Salette na data prescrita, os inimigos da mensagem exacerbaram ainda mais a oposição.

A polêmica entre os franceses atingiu uma tal confusão, que a Santa Sé, por meio de decreto do Santo Ofício de 21 de dezembro de 1915, proibiu a publicação de toda a versão do segredo.

Esta decisão, entretanto, de maneira alguma desencorajava a devoção a Nossa Senhora de La Salette. Em 9 de maio de 1923, uma edição do segredo com imprimatur do bispado de Lecce, na Itália, datado de 15-11-1879, foi inscrita no Index de livros proibidos.

Pareceria assim que nosso século não conheceria o segredo revelado em La Salette.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

A longa e complicada história do Segredo de La Salette

Beato Pio IX

O Bemaventurado Papa Pio IX (foto) aprovou enfaticamente a mensagem de La Salette.

Se a mensagem de Nossa Senhora fosse de pouca transcendência, a decisão do Santo Padre e o solene e excepcional reconhecimento da aparição por parte do bispo diocesano teria posto fim às polêmicas.

Porém a tempestade, longe de amainar, recrudesceu ao máximo.

Vendo que a obra de Nossa Senhora progredia com a bênção do Papa, tais maus católicos, eclesiásticos e leigos, passaram à contestação e à difamação aberta, com intrigas e escritos desabonadores.

Eles eram uma minoria, mas muito ativa e com fortes cumplicidades no governo e nos antros anticlericais.

Novo bispo de Grenoble volta-se contra La Salette

Mons. de Bruillard defendeu a autenticidade da aparição e a difusão da mensagem. Mas, sendo já muito idoso, teve que renunciar à diocese.

O imperador Napoleão III e o Cardeal Jacques Mathieu, líder dos bispos galicanos que contestavam prerrogativas irrevogáveis da Santa Sé, impingiram seu candidato para a sucessão: Mons. Jacques Ginoulhiac.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Reconhecimento oficial do bispo: a aparição é indubitável e certa

Fortalecido pela acolhida favorável do Sumo Pontífice e da Cúria Romana, o bispo de Grenoble (foto ao lado) reconheceu oficialmente a apariçãode La Salette e fez publicamente seu elogio ao clero e aos fiéis.

Por isso La Salette é uma das raras aparições reconhecidas canonicamente pela Igreja.

No documento, chamado Mandamento, de proclamação da autenticidade da aparição, Mons. Bruillard (foto), após fazer o histórico dos fatos e das indagações canônicas, diz:

“Art. 1: Nós julgamos que a aparição da Santa Virgem aos dois pastores, em 19 de setembro de 1846, sobre uma montanha da cadeia dos Alpes, situada na paróquia de La Salette do arciprestado de Corps, traz consigo todas as características da verdade, e que os fiéis têm fundamento para crer nela como indubitável e certa.

“Art. 2: Nós acreditamos que este fato adquire um novo grau de certeza em virtude do concurso imenso e espontâneo dos fiéis ao lugar da aparição, como também pela multidão de prodígios que têm dado continuidade ao dito acontecimento, prodígios dos quais é impossível pôr em dúvida um muito grande número sem violar as regras do testemunho humano.

“Art. 3: É por isso que, para testemunhar a Deus e à gloriosa Virgem Maria nosso vivo reconhecimento, nós autorizamos o culto de Nossa Senhora de La Salette. Nós permitimos pregá-lo e tirar dele as conseqüências práticas e morais que emanam desse grande acontecimento. (...)

“Art. 5: Nós proibimos expressamente aos fiéis e aos sacerdotes de nossa diocese sair a público, de viva voz ou por escrito, contra o fato que nós proclamamos hoje, e que desde agora exige o respeito de todos. (...)

“Nós vos conjuramos, meus bem-amados irmãos: tornai-vos dóceis à voz de Maria que vos chama à penitência, e que, da parte de seu Filho, vos ameaça com males espirituais e temporais se permanecerdes insensíveis às suas advertências maternais, e se endurecerdes vossos corações”.

Carta Pastoral exorta clero e fiéis a seguir La Salette

Em 1º de maio de 1852 o mesmo prelado publicou Carta Pastoral que retomava os temas essenciais da mensagem de La Salette:

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

O Papa Pio IX se emociona com a mensagem de La Salette

Beato Pio IX
O bispo de Grenoble, diocese onde fica La Salette, Mons. Philibert de Bruillard, lacrou os manuscritos com os relatos dos dois videntes.

Quando Mélanie entregou o seu segredo ao prelado, este retirou-se imediatamente a seu quarto para lê-lo.

“Ele voltou vermelho, em lágrimas, emocionado e o entregou para ser lacrado, sem dizer nada”, narraram testemunhas oculares.

O segredo foi levado ao Vaticano por uma comissão presidida pelo vigário geral honorário da diocese, cônego Pierre-Joseph Rousselot, e pelo cônego Gerin. Eles entregaram pessoalmente os documentos a Pio IX (quadro ao lado).

No Vaticano o Santo Padre discerniu a transcendência da mensagem. Abriu os lacres na presença dos portadores da correspondência.