segunda-feira, 3 de abril de 2017

O grande flagelo predito pelo Venerável Padre Clausi
e santos contemporâneos

  O Venerável Pe. Bernardo Maria Clausi (1789-1849), da Ordem dos Mínimos
O Venerável Pe. Bernardo Maria Clausi (1789-1849),
da Ordem dos Mínimos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Um amigo e leitor deste blog nos fez chegar um documento interessante a respeito do futuro da Igreja e da civilização que tanto nos preocupam.

Em atenção à fonte – o jornal vaticano “L'Osservatore Romano” – achamos por bem reproduzir a parte central do artigo “Curiosidades proféticas”.

Sobre tudo considerando que dito artigo foi publicado numa época em que o jornal da Santa Sé era referência solidíssima de ortodoxia doutrinal e rigor jornalístico na difusão da verdade. Em concreto, o escrito saiu à luz em 16 de abril de 1943, pág. 3.

O leitor perceberá logo a utilidade espiritual que se pode tirar da leitura destes anúncios do Venerável Padre Bernardo Maria Clausi, recolhidos no Vicariato de Roma e publicados pela Sua Eminência o Cardeal Patriarca de Veneza Mons. Pietro La Fontaine no longínquo ano de 1886.

A concordância com as mensagens de La Salette – no mesmo século que viveu o santo religioso – e de Fátima no século XX também saltam aos olhos.

Todas essas mensagens de Nossa Senhora e de almas santas dotadas de luzes profética concordam em anunciar um grande castigo regenerador da humanidade pecadora e um esplendoroso e consolador triunfo da Igreja.



Os fatos concretos que estamos vivendo sugerem a iminência dos eventos sobrenaturalmente preanunciados para tempos que há mais de um século pareciam remotos.

“Curiosidades proféticas”


Autor: A. Vardanega, L’Osservatore Romano, 16 de abril de 1943, pág. 3.

A profecia permeia a história da Igreja e é uma de suas prerrogativas. São Gregório Magno define também a função da profecia: iacula quae praevidentur minus feriunt [“os dardos que se preveem ferem menos”], frase que na admonição do antepassado Cacciaguida, Dante traduz assim: “A flechada que foi prevista chega mais lentamente”.

Cardeal Pietro La Fontaine, Patriarca de Veneza, (1860-1935), autor da compilação dos anúncios do Pe Clausi sobre o futuro flagelo divino.
Cardeal Pietro La Fontaine,
Patriarca de Veneza, (1860-1935),
autor da compilação dos anúncios do Pe Clausi
sobre o futuro flagelo divino.
Mas, junto com estes admoestadores e educadores do povo que são os grandes profetas, no seio da Igreja resplandecem outras profecias, difundidas por vezes pela Igreja com toda a autoridade que lhe é própria, surgidas nos silêncios místicos de almas pias, para consolar e admoestar, corrigir e soerguer testemunhos em todas as épocas de vitalidade da Igreja, advertências para quem quer ouvir o significado profundo, fresta aberta para mergulhar no reino da eternidade, apelo feito a todos para a realidade daquele “permanecei atentos” que é o pressuposto fundamental que nos leva a considerar cada instante da vida humana como se fosse o último.

Tais predições são recolhidas avidamente até pelos incrédulos e são por vezes objeto de especulações e interpretações arbitrárias, mas não é o caso de falarmos aqui delas.

Entre os livros do piedoso e grande Patriarca de Veneza Lafontaine [Cardeal Pietro La Fontaine, 1860 – Patriarca de 1915 a 1935], encontra-se um curioso pequeno opúsculo, impresso em 1886 com o imprimatur do cônego Francaro (Pádua 21 de janeiro de 1886) e intitulado “O flagelo predito pelo Venerável Pe. Bernardo Clausi”.

O opúsculo tende a revelar o flagelo que haveria de cair sobre o mundo numa data não definida, mas com detalhes que têm todo o sabor da atualidade.

“Deus, adverte o compilador, já esgotou todos os meios para converter os homens.

“Após tê-los convidado à aproximação com a palavra viva do imortal [Papa Beato] Pio IX, mandou enchentes, terremotos, pragas epidêmicas.

“Mas tudo foi em vão. Agora só nos resta aguardar o grande flagelo predito pelo Venerável Padre Clausi”.

O Venerável Pe Clausi, levava sempre consigo esta imagem a cuja intercessão foram atribuídas muitas graças.
O Venerável Pe Clausi, levava sempre consigo esta imagem
a cuja intercessão foram atribuídas muitas graças.
O Pe. Clausi foi um sacerdote e pregador da Ordem dos Mínimos, nascido em Castello di San Sisto (diocese de Cosenza) em 27 de novembro de 1789, falecido em Paula em 20 de dezembro de 1849 e declarado Venerável pela Igreja.

Eis com quais palavras predisse o flagelo, segundo se depreende de diversos testemunhos recolhidos no Vicariato de Roma em 1861.

“As coisas devem atingir o cúmulo, e quando a mão do homem não puder fazer nada e que tudo parecer perdido, então Deus porá a sua, e tudo se realizará como o raio e será tal a doçura que experimentará cada um no coração, que lhe parecerá degustar as delícias do Paraíso...

“Os próprios ímpios deverão confessar que isso aconteceu pela mão de Deus...

“O flagelo será terrível e concentrado sobre os ímpios; será de um gênero novo e de fato inaudito. O céu e a terra agirão unidos e se converterão grandes pecadores.

“Esse flagelo será geral em todo o mundo, e aqueles que sobreviverão lhes parecerá terem ficado só eles, de tal maneira será terrível”.

Depois afirma que “ele [o Pe. Clausi] já não se encontraria, e que [o flagelo] seria seguido de uma reordenação geral, com grande triunfo da Igreja.

“Bem-aventurados aqueles que se encontrarão naqueles felizes tempos, porque se viverá na verdadeira caridade fraterna.

“Antes que chegue esse flagelo, os males do mundo crescerão de um modo tal que parecerá que saíram os demônios do inferno e os bons viverão num verdadeiro martírio pelas perseguições dos maus...

“Não acrediteis em quem queira definir o tipo de castigo, porque será uma coisa nova que Deus não revelou a ninguém”.

O opúsculo acrescenta também outros testemunhos, como o da venerável Isabel Canori: “Os homens se matarão entre si com uma raiva indescritível”; Sobre as profecias da Beata Isabel Canori a respeito CLIQUE AQUI

o de Melânia, a extática de Orla: “Naquele momento acontecerão três dias (dever-se-ia pensar em três anos?) de densas trevas”;

A Beata Anna Maria Taigi, contemporânea do Pe. Clausi, previu que nos dias do flagelo divino “a atmosfera estará empestada pela presença visível dos demônios”
A Beata Anna Maria Taigi, contemporânea do Pe. Clausi,
previu que nos dias do flagelo divino
“a atmosfera estará empestada pela presença visível dos demônios”
e, por fim, o da Venerável Anna Maria Taigi, romana: “A atmosfera estará empestada pela presença visível dos demônios, que se apresentarão sob múltiplas formas”. Sobre as visões e revelações da Beata Taigi sobre castigos vindouros CLIQUE AQUI

Para conforto dos bons, o Pe. Clausi repetia diversas vezes que “o flagelo cairá todo sobre os ímpios e será grande, terrível e geral pelo mundo todo, e quem sobreviver a esse flagelo não poderá fazer outra coisa senão rezar...

“Depois desse espantoso caos renascerá a ordem, será feita justiça a todos e o triunfo da Igreja será tal que não terá tido nunca algum outro semelhante”.

“Tudo isso, porém, acrescenta o redator do opúsculo, nós não o damos como simples conjecturas”, e conclui com as fortes palavras do grande Pontífice Pio IX, pronunciadas em 28 de setembro de 1873, e que verdadeiramente têm sabor profético:

“Agora, eu não vos direi que todos estes males passarão dentro de pouco tempo, não vos direi que estamos na véspera da liberação e do triunfo, mas vos direi que Deus se manifestará com certeza, porque Ele é senhor do tempo em que se operará esse prodígio”.


15 comentários:

  1. Uma belíssima e profunda Profecia do Venerável Padre Bernardo Clausi onde a esperança grita mais auto que o desespero:“Bem-aventurados aqueles que se encontrarão naqueles felizes tempos, porque se viverá na verdadeira caridade fraterna." Se é verdade que vivemos no tempo previsto, então mais devemos nos alegrar que nos entristecer, pois o Venerável Padre diz serem felizes os que viverão nestes tempos. No meio de um caos e crise inaudita geral ele diz que os motivos e razões pelas quais as pessoas do fortunado tempo deverão se alegrar é que nesse predito tempo "SE VIVERÁ NA VERDADEIRA CARIDADE FRATERNA." Nosso Senhor Jesus Cristo disse que "a boca fala do que está cheio o coração"(cf.Ev), e nestes últimos tempos vemos que os últimos Papas anunciam com insistência a Misericórdia ao mundo mergulhado no pecado. A Misericórdia, virtude que qualifica a Deus, segundo diz S. Greg. Naz. Cam. 1.11.9,19: PG 37,688; Or. 6,12: PG 35,737c, citado por Um MOnge Contemplativo in "A Deificação". Vivemos, portanto, com esses últimos Pontífices A VERDADEIRA FRATERNIDADE, a verdadeira CARIDADE. Venerável Padre Clausi, ora pro nobis.

    ResponderExcluir
  2. Certamente este tempo novo será o do Triunfo do Imaculado Coração de Maria e dos Novos Céus e Nova Terra profetizados pelo Apocalipse.Vivemos nos tempos das grandes perseguições,haja a visto a fúria do Isis e dos governos ímpios contra o cristianismo.Mas em breve tudo isto passará.Que neste centenário das Aparições de Fátima,nos apoeiemos nestas maravilhosas promessas divinas de um novo tempo de paz e de restauração.Louvado seja Deus.

    ResponderExcluir
  3. Acredito piamente que o Senhor nosso Deus
    Vai falar como só Ele sabe falar: com clemência
    É misericórdia.

    ResponderExcluir
  4. A misericórdia e a justiça divina não se excluem, mas se complementam. Pensar que Deus permitiria todos os males (pensem em todo tipo de coisa ruim que existe no mundo de hoje), sem algum tipo de correção ou castigo seria desfigurar a verdadeira imagem de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Talvez a 3ª GUERRA MUNDIAL ou UMA GUERRA NUCLEAR seja esse flagelo que atingirá a humanidade toda.

    ResponderExcluir
  6. Sim, irmão quanto mais estas coisas acontecerem, mais próximos a nossa libertação chegará. Lembrando quando o holocausto pepétuo for ferido de vez ou seja a Santa Eucaristia, tranformá-la em apenas uma simples ceia e nao sacrificio do Senhor, podemos contar a partir deste dia a volta de Nosso Senhor Jesus Cristo. A missa esta mudando fiquemos de olho nisso, vamos rezando com a virgem Maria nossa Mãe afim de nos salvar-nos e nossa familia. amem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, irmão! Você disse coisas muito importantes, sobretudo em relação à Eucaristia, à Missa. Devemos estar atentos aos acontecimentos relacionados à missa. É consenso entre os católicos que estão a par das profecias de que no final dos tempos, estes tempos em que estamos vivendo, a missa será proibida durante 3 anos e meio. Pouco se fala disso, mas é algo de grande importância.

      Excluir
    2. Dizem também que há um plano de formar uma missa ecumênica, isto é, uma missa que seria rezada tanto por católicos como por protestantes, e, que nessa missa ecumênica, a fórmula da consagração seria modificada a ponto de a consagração eucarística não ser mais válida. Dessa forma se cumpririam as profecias bíblicas de que o Sacrifício Eucarístico (a Missa) deixaria de ser oferecido no final dos tempos por um período de 3 anos e meio.

      Excluir
  7. A Misericórdia e a Justiça não se excluem, mas parece que uma aplaca a outra, conforme ensina o Concílio Tridentino: "Quanto mais perdidos nos sentimos, e mais privados do auxílio divino, tanto mais Deus nos procura e protege com a Sua imensa bondade e providência, porquanto suspende a espada que havia alçado em Sua cólera, e não cessa de distribuir os inesgotáveis tesouros de Sua misericórdia." (Catecismo de Trento, IV parte, § 8). Portanto, o Concílio Tridentino ensina que quanto maiores forem os pecados a ponto de inundarem, como um dilúvio, a terra inteira, tanto mais Ele persegue os pecadores com Sua Divina Graça, suspendendo a espada de Sua justa cólera. Isso quer dizer que os cristãos dos últimos tempos devem fazer o mesmo que Deus, ou seja, perdoarem sempre e praticarem a Caridade.

    ResponderExcluir
  8. Do texto do Concílio Tridentino: "Quanto mais perdidos nos sentimos, e mais privados do auxílio divino, tanto mais Deus nos procura e protege com a Sua imensa bondade e providência, porquanto suspende a espada que havia alçado em Sua cólera, e não cessa de distribuir os inesgotáveis tesouros de Sua misericórdia." (Catecismo de Trento, IV parte, § 8)- podemos ainda tirar as seguintes conclusões:
    QUANTO MAIS PECAM AS PESSOAS, MUITO MAIS AINDA DEUS AS AMA!
    A prova disso é Jesus pregado na Cruz, orando sem cessar pela salvação das almas, principalmente de todas as pessoas que estavam ali naquele momento e por todas as pessoas no decorrer dos séculos até a consumação do mundo. É certo e é de fé divina e revelada que Jesus Cristo, na sua Paixão, orava por todos, entre todos estavam os seus inimigos. Ora, se orava por todos, não deixava de os amar. O amor de Cristo na Cruz, pelos pecadores, aumentava em grau e intensidade sempre e cada vez mais, de tal modo que podemos dizer que quanto mais eles desprezavam a Cristo, mais Ele os amava. Permaneceu imutável em seu amor aquele que foi continuamente blasfemado, torturado e desprezado. Foi profanado pelos homens: " o Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores..."(Mt. 26, 45). Profanado não cessava de amar, porque "amou-os até o fim"(Jo. 13,1). Na Cruz enquanto pecavam blasfemando-O, Ele no entanto os amava e orou por eles dizendo: " Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem."(Lucas 23, 34). Morreu perdoando a seus inimigos, morreu perdoando aos pecadores, morreu amando os inimigos, os pecadores.

    ResponderExcluir
  9. Acredito que estejamos vivendo os tempos do Apocalipse e, por isso, devemos estar atentos a eventos dramáticos e "intensos". Não devemos descartar a possibilidade de guerras. Nesse sentido, vejam esta notícia.
    Roleta Nuclear do Leste Asiático. Possível guerra nuclear por acidente. A lição da história é quando uma guerra começa, cada nação usará finalmente qualquer arma que tem disponível
    http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/20877/Roleta-Nuclear-do-Leste-Asiatico-Possivel-guerra-nuclear-por-acidente-A-licao-da-historia-e-quando-uma-guerra-comeca-cada-nacao-usara-finalmente-qualquer-arma-que-tem-disponivel

    ResponderExcluir
  10. Se me permite,partilho mais uma notícia sobre o perigo de estourar uma guerra.
    Surto de compras atinge o Japão devido uma possível guerra: Abrigos Nucleares, Purificadores de Ar, Suprimentos Anti-Radiação...
    http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/20880/Surto-de-compras-atinge-o-Japao-devido-uma-possivel-guerra-Abrigos-Nucleares-Purificadores-de-Ar-Suprimentos-Anti-Radiacao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma brasileira que mora no Japão fez um vídeo, falando de como as pessoas no Japão estão se preparando para uma provável guerra.
      ESTAMOS NOS PREPARANDO PARA A GUERRA... - Déborah Hudz
      https://youtu.be/SUVtsSdFmp8

      Excluir
  11. O Padre Paulo Ricardo fez uma homilia interessante sobre a ira de Deus. É importante também ter consciência dessa realidade, a fim de não justificarmos os nossos caminhos errados com a misericórdia divina. Na verdade, Deus exerce a sua ira sobre nós porque é misericordioso e nos quer salvar. Escutem a homilia do Pe. Paulo.
    Homilia Diária.519: Quinta-feira da 2.ª Semana da Páscoa - A ira divina, um ato de amor
    https://youtu.be/rVVpKeIJOmw

    ResponderExcluir
  12. Divulgando!
    Lembrando: Profecia de uma senhora de 90 anos, na Noruega, que teve uma visão em 1968, sobre o fim dos tempos
    http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/20930/Lembrando-Profecia-de-uma-senhora-de-90-anos-na-Noruega-que-teve-uma-visao-em-1968-sobre-o-fim-dos-tempos

    ResponderExcluir